Depoimentos

Depoimentos De Proprietários Enviados Para o Estaleiro MJ

MJ 33 – Walquiria- 28/08/17

Eu e meu marido quando decidimos morar a bordo de um Veleiro e começamos a procurar um barco nada nos atraia, mas quando entramos no MJ 33 pés, falamos “é esse”! O barco estava todo desmontado e em reforma e mesmo assim fechamos negócio. É um barco confortável para morar, veleja muito bem, participamos da regata da amizade em Ubatuba e ficamos em segundo lugar na nossa categoria, nos deixou muito felizes. E como vivemos de fazer charter, ele acomoda super bem nossos clientes, e ficam encantados por ser um 33 pés com tanto espaço.Tb temos uma gata a bordo que mora conosco, se adaptou super rápido.
Hoje estamos muito felizes morando em Ubatuba e tb por realizar esse sonho e ter um conforto de uma casa.
Se quiser conhecer melhor o barco agende um charter conosco, serão bem vindos:
MJ 33
MJ 33 Walquiria

Cruiser 31 – Levante (1984) – 02/06/16

 Antes de mais nada, gostaria de lhe parabenizar pela nova sede do estaleiro MJ, em Jacupiranga – SP, passo em frente as vezes quando estou indo ou voltando de SP para SC, onde moro atualmente e sempre me lembro que quero visitar as novas instalações em breve e continuar acalentando meu sonho por um MJ 38 DS ou até um 44 DS, que baseado na minha experiência com meu antigo Cruiser 31, fabricado lá pelos idos do ano de 1984 por sua equipe na antiga Nellmar, traz a certeza da grande evolução dos barcos que vc vem fabricando a mais de 30 anos para um mercado tão pequeno e exigente dos velejadores cruzeiristas brasileiros…

Meu Cruiser 31. um projeto do renomado Van de Stadt, foi fabricado em 83/84 e foi adquirido por mim em 2001, neste momento o barco estava adaptado para cruzeiros rápidos, com conforto e principalmente muito churrasco pelo seu antigo proprietário de Santos. Logo que eu o adquiri, fiz algumas alterações retirando um dog-house lãminado e outras estruturas para devolver sua aparência mais original possível… fiz boas velejadas com o barco, ainda aprendendo e me surpreendendo com a velocidade e seu equilíbrio em contra ventos e mesmo em empopadas… o barco era macio e rápido, velejavamos sempre  com meu filho com apenas 3 meses de idade no bercinho, colocado no cockpit, sem nenhuma gota ou adernagem preocupante… mesmo em ventos de quase 20 nós na baia de Santos e no través das ilhas do Guarujá (Moela e Cabras)… Todos que velejaram comigo neste barco elogiaram a precisão e eficiência do leme e a segurança que este 31′ transmitia a tripulação, muitas vezes totalmente inexperiente… com o tempo, fiz outras reformas com o intuito estético que devolveram ao barco sua originalidade já com mais de 20 anos de uso naquela época…
Me lembro de um fato que me deu total certeza do que se falava sobre a robustez e elasticidade do método de laminação em sanduíche que vc trouxe de sua experiência profissional junto ao estaleiro da Hunter norte-americano… em um dia, onde saímos para velejar com várias crianças da família a bordo, retornei já tarde e preocupado para a marina e vi que a vaga fixa, onde havia deixado minhas amarras, tinha sido ocupada e já cansado e irritado, comecei a me preocupar onde poderia ficar atracado, pois devido a maré naquele momento tinha pouquissimas opções e foi durante este momento de distração que no desengate do motor, o redutor travou engatado e não havia ninguém a bordo com habilidade de matar o motor rapidamente naquele curto espaço de manobra dentro da marina… não queria bater em outros barcos e ai foi uma pancada forte de proa contra o contorno em aço do pier que fez com que o barco parasse e subisse a proa no pier uns 50 cm, já puto da vida comecei a calcular o estrago e o custo de uma nova laminação de proa e tudo mais, quando foi meu espanto que apesar da forte pancada, nada além de um risco na pintura havia ocorrido…  em suma passei a acreditar que a laminação do Marco Lacreta, apesar de leve, é para uso militar mesmo… ou para marinheiros de primeira viagem…
Parabéns por levar este sonho de produzir bons veleiros de grandes projetistas internacionais, com atenção  para o conforto, segurança e beleza,  vivos nestes mais de 30 anos de empreendedorismo náutico… não é para qualquer empreendedor isto… parabéns e muito sucesso com a linha DS… e as próximas que virão pela Veleiros MJ…
Carlos
Cruiser 31 Levante
Cruiser 31 – Levante

MJ 38 – Manik (2008) – 09/04/15

Prezados, adquiri o veleiro Manik, que agora se chama Shamu nit 2 (O nit é de Niterói).

Fiz alguns serviços, medi na RGS, vela mestra nova, geenaker, e estamos curtindo o barco em Angra dos Reis.

Na 16° Regata Ilha de Caras fomos de Cruzeirão e ficamos em 8° em um total de mais de 50 barcos, o que não é de todo ruim pois na frente só tinha Benneteau  de 40,5  a 55 pés e outras máquinas como o Capim Canela.

Também ficamos em 3° na Regata do ARMC. Pena que não tenho corrido para melhorar o barco em regatas, mas ele promete.

Se quiserem, posso mandar fotos para publicarem no site ou FB.

Abraços

Boanerges

MJ 38 Manik
Manik

MJ 44 – Touche (1989) – 31/03/15

Depoimento sobre o MJ 44 Touche

Meu barco foi construído ainda no estaleiro de Juquitiba em 1989.

Naquela época não existia praticamente material náutico disponível, sejam acabamentos bem como equipamentos, ferragens e eletrônicos.

Esta realidade de 26 anos atrás, foi superada pela habilidade de verdadeiros artesãos que trabalharam em madeira toda a parte interna do barco.

O desenho era muito avançado para a época, concebido por Bruce Farr que nos anos seguintes se consagraria como um dos mais vitoriosos desenhistas do seu tempo.

Com as linhas caracterizadas pela largura da boca que até hoje prevalece nos desenhos, permitiu um extraordinário aproveitamento do seu interior que acomoda com conforto e privacidade até 8 pessoas em 4 cabines separadas e duas toaletes (na configuração do meu barco).

É um cruiser-racer legitimo, rápido mas com conforto e segurança para velejar.

Tenho o barco até hoje, com ele participei de duas travessias do Atlântico na Regata Cape Town – Rio de 93 e 96. Foram 8.000 milhas de uma navegação emocionante e inesquecível, tanto que fiz duas vezes seguidas.

Ganhei Campeonatos Paulistas e SVIlhabela na sua categoria e fiz cruzeiros ao longo da costa entre SP-RJ-Salvador.  Ainda falta ir para Noronha, mas está nos planos futuros.

Já tive mais de 5 barcos de competição de alto nível, mas o Touche 44 foi o único que eu mantive sem nunca pensar em vender.

Ele tem características únicas de conforto e desempenho que resultam num ótimo custo-benefício.

Atualmente os barcos irmãos são construídos com acabamentos muito mais resistentes e leves, com uma variedade enorme de opções que permitem personalizar cada detalhe. Mastreação melhor e velas com desenho e tecidos mais avançados compõem um conjunto que se completa muito bem.

Eu gosto muito do barco e das suas qualidades marinheiras.

Abração,

Ernesto

Touche
Touche

MJ 38´ DS – Eolo de Ilhéus (2014) – 24/03/15

Caros amigos da MJ, Marcão, Dani, Diego e toda equipe,

Envio este e-mail com muita alegria para compartilhar com vocês o resultado da primeira regata que o Eolo de Ilhéus participou tendo como tripulação meus filhos Henrique e Maira com seus respectivos pares Emilie e Mathias:

2° Lugar!!! Terceiro na geral e segundo na categoria. Pena ter perdido para um Delta 32… Quem sabe numa próxima a gente melhora.

Agradeço a toda equipe do MJ Yachts pelo esforço, empenho e dedicação para fabricar um veleiro oceano e regateiro ao mesmo tempo.

A sensação de navegar rápido com um mínimo de vento foi sensacional. O veleiro ia se afastando da turma toda que ia ficando para trás visivelmente. Incrível!

Os ventos eram realmente fracos em torno de dois nós. No final conseguimos pegar uma brisa de 4nós com rajadas de 6 nós. O barco andou muito bem.

Abraços,

Heráclio

Eolo
Eolo

MJ 34 Deck Solarium – Peixe Boi (2014) 20/02/15

Um dia eu li uma notinha na Revista Náutica sobre o estaleiro MJ, comecei a perguntar aos meus amigos sobre o estaleiro MJ, sobre o barco, sobre o possível investimento, e obtive alguns interessantes comentários. Antes de qualquer coisa, fui me informar sobre o seu estaleiro. Não conhecia ninguém que te conhecesse, mas conhecia muitos que conheciam os barcos que você construiu ao longo da sua longa vida de fabricante de veleiros. E ninguém, ninguém mesmo, falou absolutamente nada desabonador nem sobre seus barcos nem sobre você.

Graças à internet, fiquei sabendo de algumas histórias de pessoas que fizeram barco com você. E foram todas boas histórias! Fiz contato e fui muito bem acolhido por você. Respostas rápidas aos meus e-mails, sempre esclarecendo as dúvidas que tinha na época. Fiquei empolgado em fazer o contrato com o estaleiro MJ para construir meu veleiro MJ34DS. Ficamos simplesmente encantados com os barcos!

Um barco deve ser confortável para agradar a todos.

O MJ34 DS é o veleiro mais confortável que eu vi. Não estou falando apenas sobre os de 34 pés. Este barco é confortável mesmo se comparado com a média dos barcos de 36 e até 38 pés que existem no mercado nacional.

O MJ34 DS tem 3 cabines de casal. Não preciso fazer mais comentários sobre o conforto interno dele.

O MJ34 DS tem tanque de combustível de 90 litros. Com um motor de 29HP da Yanmar, o meu PEIXE BOI faz 2 litros por hora. Muito confortável … além de dar uma tranquilidade e segurança para fazer uma grande travessia.

O MJ34 DS comporta mais de 350 litros de água nos seus 2 tanques. É muito conforto ..

O MJ34 DS tem espaço para um banco de baterias que me dá autonomia para um final de semana inteiro usando luz e eletricidade sem pensar em economizar. Mesmo sendo um hábito perdulário, ter este conforto é muito importante! No meu caso, optei por 4 baterias estacionárias de 105 Ah cada, além de uma outra exclusiva para o motor.

Um veleiro deve ser veloz.

O MJ34DS é o barco (potencialmente) mais veloz do seu tamanho, sem considerar os exclusivamente de regata. Qual barco com 3 cabines, 350 litros de água, 85 litros de combustíveis (entre vários outros itens) consegue fazer 6,5 nós de média numa travessia de 200 milhas?

Eu trouxe o PEIXE BOI do Guarujá para o Rio de Janeiro em 36 horas. Não teve praticamente vento algum durante a travessia, então eu usei o motor em 30 destas 36 horas. E a média foi de 6,5 nós! Isto também faz o MJ34DS ser um excelente barco de cruzeiro.

Depois que o barco chegou ao Rio, eu passei a usá-lo com frequência. Até hoje, foram mais de 20 saídas com o PEIXE BOI. Na maioria das vezes, eu uso a vela como propulsor principal. E o desempenho é impressionante! O PEIXE BOI orça entre 30 e 35 graus de vento aparente com praticamente qualquer condição de vento. Eu experimentei desde ventos de 5 a 25 nós, e sempre consegui este ângulo de orça (no máximo 40 graus de vento aparente, quando a corrente é forte e o vento fraco). Mas o mais surpreendente é que com vento fraco ele anda rápido, e com vento forte ele anda em pé!

Por exemplo, em várias ocasiões eu velejei com vento abaixo dos 7 nós, e facilmente eu coloco na orça de 35 ou 40 graus de vento aparente e ele responde, sem dificuldade alguma, andando a 2,5 a 4 nós. Nem no Dingue eu consigo este desempenho. Se o vento sobe para 10 nós, o barco sobe para 5 nós de velocidade na orça. E eu cheguei a velejar algumas vezes com o veleiro a 7,5 nós em um través de vento aparente de 45 graus e TWS de 25 nós!

Até hoje, eu não tive a oportunidade de experimentar o PEIXE BOI velejando acima dos 25 nós, mas com este vento, mesmo em orça, o veleiro fica “em pé”! Surpreendente!

Ou seja, o MJ34DS é um barco veloz, seguro e seco!

Quem fabrica o veleiro tem quer ser confiável.

Finalizando, Marco, eu tenho que te agradecer por conseguir oferecer este produto para o mercado náutico de vela no Brasil. Não tem comparação. Existem outros estaleiros famosos, e até muito mais famosos do que o MJ Yachts, mas não sei se os clientes são tão bem atendidos. Ah, claro, o famoso “custo-benefício” deve ser mencionado: se for comparar o produto que você oferece com os de outros estaleiros nacionais usando o preço como parâmetro, não tem comparação: os veleiros MJ são o que há de mais interessante no marcado brasileiro atualmente! E que seja assim para sempre!

Grande abraço, Marco.

Rodrigo – Feliz Proprietário do PEIXE BOI MJ, um MJ34DS entregue em MAI2014

Peixe Boi
Peixe Boi

MJ 38´ VALENTE – 2009 (23/04/13)

Marco Bom Dia !

Obrigado pelo tanque de guerra que construiu para mim!

Conheci um dono de um MJ 38 que bateu numa lage a 7 nós e o barco não teve nada!

Não acreditei e mergulhei para ver, somente afundou um pouco a quilha no bordo de ataque!!!

O proprietário disse que o barco deu uma ré quando bateu e foi no meio da quilha!

PQP esse barco e muito forte meu amigo. Vou dar minha volta ao mundo sossegado obrigado !!!

Beijos em toda família MJ !

Abraço

Valente

Valente
Valente

MJ 44´ Seadler – 2010 (04/08/12)

Prezado Marco,

Há mais de 50 anos venho navegando em diversos barcos a vela.

Durante esse tempo, observei que cada um deles tinha algo de peculiar e vantajoso.

Alguns navegavam bem só de través, outros de aleta e alguns não apresentavam problemas empopados com ventos fortes. Na orça muitos só alcançavam boa velocidade de 40 a 50 graus.

Outros na orça adernavam muito para manterem uma boa velocidade.

Por isso, Lacreta, resolvi enviar este e-mail para parabeniza-lo pela construção do MJ 44 que tive o prazer de navega-lo do Rio a Angra.

Este barco demonstrou todas as característica desejadas por um velejador, pois ele é bom em todos os aspectos: empopado, de aleta, de través, na orça serrada, com muito vento, com muito mar e com pouco vento.

É tudo que um cruzeirista sonha.

Durante o almoço navegamos só com a vela mestra, com 20 nós de vento no través e mar de 50 graus, a 8 nós. Carolini, fez o almoço, serviu e arrumou toda cozinha, sem nenhum problema de marear, pois o barco se manteve estável o tempo todo, ela adorou, pois nunca conseguiu sequer descer ao salão, nessas condições, em qualquer outro barco que já navegou.

Mais uma vez, parabéns, pois você nos orgulha com seu produto nacional…

Por tudo isso, já imaginamos o que será o seu 60 pés que está na forma… E eu na fila…

Cordiais saudações.

Adauto

Seadler
Seadler

MJ 38´ Mister Albert – 2008 (05/03/12)

Ola Marcos,
Gostaria em primeiro lugar agradecer a recepção que tivemos aí no estaleiro, todos  muito atenciosos conosco e o esforço em nos mostrar o processo construtivo.
Ficamos muito bem impressionados, particularmente com o propósito da MJ em estar voltada para uma melhoria constante da qualidade.
Os novos painéis de fibra, utilizados em substituição ao painel de compensado naval, acredito, está sendo um avanço tecnológico muito grande.
Da mesma forma a laminação tanto do casco como do convés usam soluções inteligentes, privilegiando a resistência de forma, que vulgarmente chamamos de sanduíche, amplamente utilizadas nos aviões.
Com Referência ao Mister Albert, um MJ 38 que foi para o mar em 2008, estou muito satisfeito com ele.
Navega muito bem e cheguei a 8 nós na vela…..
Internamente tudo continua funcionando muito bem, mas como em todos os veleiros, as vezes é preciso fazer alguns ajustes, principalmente no que se refere a eletrônicos.
Nos documentos da Marinha, constam como tripulantes apenas 7 tripulantes mais 1 comandante = 8 pessoas o  que corresponde a tripulação para pernoite.
Pelo tamanho do barco e pelas suas acomodações, na situação diurna poderia ter um número maior de tripulantes. Imagino 12. Pois conforto para isso tem!!!
Um abraço,
Alberto

Manik
Manik

MJ 38´ Magaratz – 2010 (15/12/11)

Concluímos a construção do Magaratz no final de 2010. É o segundo MJ38’ que construí junto com o Marco Lacreta. Decidi contruí-lo em função do layout atual dos barcos da MJ, com maior espaço interior, melhor luminosidade e soluções que tornaram o barco mais moderno, leve (com os painéis de Fibra) e funcional. O Magaratz e o Muscardin (o primeiro deles, entregue em 2006), são barcos extremamente robustos e marinheiros, que permitem uma velejada simples, rápida, segura, confortável e essencialmente seca. Acompanho há anos a evolução dos barcos do Lacreta e cada vez que um novo barco é entregue, é notável a quantidade de melhorias e aprimoramentos que surgem. Além disso, há um diferencial fundamental nos barcos da MJ, que são as facilidades que o estaleiro fornece para equipamento e customização individual do interior do barco. Acredito que, com a mudança próxima para o novo estaleiro, o produto final será ainda melhor. O Magaratz está disponível para test drives agendados junto ao Estaleiro. Abaixo estão as fotos dos barcos.

Claudio

Magaratz
Magaratz

MJ 33´ Filho do Vento 2008 (11/01/12)

Quando vi o anuncio na revista e no Boat Show de São Paulo não me entusiasmei muito não eu queria um barco usado e de preferência da Fast que já havia fechado.

Um dia fui conhecer o estaleiro e os barcos em Cajati e achei que o MJ 33 era o meu numero de barco, mas o preço era impraticável pra mim naquele momento, alguns meses depois o Sr. Marco entrou em contato comigo oferecendo o modelo MJ 33 Standard e as condições de pagamento começaram a se encaixar no meu plano e pronto, negocio fechado e o barco foi pra água no dia 23/12/2008, meu melhor presente de natal.
O barco está navegando há 3 anos em Paraty e região onde os ventos são fracos em media 6 a 10 knots de vento em media e o barco tem velocidade media de 4 a 7 knots nestas condições de vento então acho isso bem satisfatório, pois participo de algumas regatas e tenho boas classificações, para quem tem pouca experiência em regatas.
Para a vela de cruzeiro o barco é sensacional, pois o espaço interno é ótimo na altura e nas acomodações, costumo ir com a família ou com amigos, o barco está sempre cheio, já acomodei diversas vezes 8 pessoas para
pernoite, porem ache que 6 pessoas é o ideal para pleno conforto no que diz respeito a acomodação para dormir , tomar banho, fazer as refeições e até assistir uns filmes.
O barco é bem resistente, em algumas travessias entre Ilha Bela e Paraty peguei mar agitado com ondas de até 3 m contra e foi tudo bem.
Agora deixo como sugestão para melhoria do barco a mudança de posição da bomba de porão e a mudança do suporte da mesa interna.
Abraços a todos, Murilo.

Filho do Vento
Filho do Vento

MJ 38´ DS Ananda 2011 (09/01/12)

Boa Tarde,
Meu nome é Rosangela.
Nosso veleiro MJ 38¨ ficou pronto há 4 meses.
Eu e meu marido pesquisamos bastante antes de tomar a decisão por fabricá-lo através do estaleiro MJ.
Posso dizer que houve um forte comprometimento do Sr. Marco (dono do estaleiro) em cumprir os prazos e também as exigências de qualidade, principalmente do meu marido (Valter).
Nosso veleiro foi o primeiro em muitas coisas.. Foi o primeiro no design novo, o primeiro em utilizar um material mais leve internamente, o primeiro a utilizar as velas da Olimpic Sail.
Já participamos de duas regatas e ganhamos o 2°. e 1°. Lugar.
Estamos bastante satisfeitos com nosso veleiro e posso dizer que tomamos a melhor decisão.
Temos um veleiro com um espaço extremamente confortável e sinto-me bastante segura ao velejar.
Estamos à disposição se precisar de mais detalhes.
Abraços,
Rosangela.

Ananda
Ananda

MJ 33´ BORA-BORA 2007 (12/11/2008)

Olá Marco,tudo bem?
Escrevo para informar-lhe que o veleiro Bora Bora com o projeto Velejando com Deus, subiu e desceu à costa brasileira acabando de chegar ao Bracuhy sem precisar apertar um único parafuso, se quer!
Fizemos um filme que eu estarei te mandando e também já estamos escrevendo o livro…
Vou tentar colocar o Bora Bora no Rio Boat Show no pier dos cruzeiristas,você acha que daria para darmos uma revisão e um trato no visual dele?
Marco novamente muito obrigado,por fazer parte do nosso sonho!
Abraços Marcio e Dani
www.velejandocomdeus.com

Bora Bora
Bora Bora

MJ 25´- 2003 (24/03/2011)

Eu fui proprietário do primeiro MJ 25′.

Fiz muitos passeios e travessias entre Santos e Ubatumirim, com conforto e segurança, mesmo em condições de tempo adversas.

Pude acompanhar a trajetória de sucesso, a qualidade e a inovação crescente que este estaleiro vem imprimindo a cada um de seus veleiros desde que os conheci em Junho/2002.

O MJ 44′DS (o qual eu visitei logo que foi para a água) é sem dúvida um excelente representante brasileiro, frente aos barcos importados e que custam infinitamente mais.

A MJ Yachts está colocando o Brasil na vanguarda da fabricação de veleiros rápidos, sem entretanto, sacrificar o conforto que desejamos ter. É uma casa de praia que se desloca pelo litoral, qualquer litoral que se imaginar.

Marcos
São Paulo/SP

MJ 25
MJ 25

Cruiser 31- 1984 (02/04/2009)

Caro Sr. Marcos,

Primeiro gostaria de agradecer o pronto e valioso atendimento que o Sr. me prestou por telefone.

Tendo comprado de terceira mão um veleiro Cruiser 31, fabricado em 1984, não esperava ter tanta atenção.

Aproveito para dizer que estou muito satisfeito com o barco.

Antes de comprar, solicitei a retirada da água para uma inspeção, estava preocupado, pois o veleiro estava a 3 anos dentro d’água.

Deixei o barco secando por 4 dias, mas logo verifiquei que a quilha estava muito firme, tanto que causou espanto dos marinheiros presentes.

O eixo do leme também estava sem folga.

Minha felicidade foi grande ao perceber que não havia o menor sinal de osmose nem trincas no casco.

Renovei a pintura venenosa e depois foi só polir o costado.

Agradeço qualquer informação sobre a construção desse barco especialmente:

Muito Obrigado

Marcelo

Cruiser 31
Cruiser 31

MJ 38 ADRIANA CRISTINA 2008 (25/10/11)

Meu prezado,

Você sabe o quanto gosto do meu barco.
É estável, equilibrado, anda muito.
Quanto ao espaço interno e acabamento, não há o que reclamar.
Para um 38 pés não conheço nenhum outro com tanta comodidade.
Hoje, refletindo um pouco, eu não prescindiria de um dos box de chuveiro, (nunca aconteceu dois banhos simultâneos) o de popa, ganhando algum espaço no próprio banheiro e no camarote de popa.
Por falar nisso, folheei a revista “Náutica” de Outubro e não vi o teste do MJ44, quando é que vai sair?

Um forte abraço,
Sérgio

Adriana Cristina
Adriana Cristina

MJ 44 DS SOUTHSEA 2010 (14/01/2011)

Prezado Marco Lacreta,

Como te falei fizemos 2 pernas com o MJ 44 DS, Santos – Porto Belo no dia 18/12 e Florianópolis –  Santos dia 8/01.

Na ida como é de costume com ventos muito fracos, resolvemos motorar, pois já eram 18;00 e queríamos adiantar a viajem.

No motor a 2.800 giros andamos a 8 nós com muita facilidade. Na madrugada já no traves da ilha do bom abrigo abrimos o grande e a genoa com ventos de 12 nós de traves e andamos na media de 7 nós.

Nesta primeira etapa assim foi: saída as 18;00 horas de sábado e chegada 02:00 h de domingo [muito bom para 210 milhas]. Na nossa chegada no iate clube Porto Belo as pessoas do píer vieram ver o veleiro, me perguntando que marca era aquela 50 pés.

De porto belo fui para o jurere dia 28/12, vento de 22 nós e com velocidade de 8.5.

O barco foi muito elogiado la no iate clube veleiros da ilha [deu um banho].

Na vinda do sul para SP tivemos uma experiência muito boa para testar a robustez da embarcação [dia 08/01]. Com ventos de ate 26 nós de proa viemos pulando as vagas de ate 3.5 mts sem que o barco desse um rangido [motorando].

O bicho é valente, agora a próxima é ganhar a Refeno em setembro.

Abs

João

Obs. a única coisa que temos que ver é o relógio do combustível. Achei que o motor consumiu um pouco de mais, vou ver com a Yanmar. Água deu e sobrou, e com 3 pessoas tomando banho de manhã, a tarde e noite.

SouthSea
SouthSea

MJ 38´ BETHOVEN 1989 (12/05/2008)

Caro Marco,

Com relação ao nosso MJ, no caso o Beethoven, estamos ultra satisfeitos ele tem um casco excelente, com sistema de sanduíche no casco e convés desenvolvido pelo estaleiro, o barco e leve porem resistente, com uma estrutura que não torce e não deforma e o projeto do Bruce Farr não tem o que falar, o cara soube projetar um veleiro marinheiro e muito equilibrado, e fácil de manobra.

O Bethoven quando comprei estava destruído por dentro, todo podre, pois o dono anterior tinha abandonado, refizemos todo seu interior e reforçamos as ferragens porque estávamos iniciando uma possível volta ao mundo, e tem diferença de um veleiro construído para dar uma volta ao mundo, os esforços são repetitivos em todos os materiais, e até agora o bethovem se mostrou um grande veleiro !!!

O barco está com 20 anos de idade e não tem uma osmose, nem para remédio!!!

Penso que se o Marco estiver construindo os veleiros, com a mesma qualidade de casco que o Bethovem, acho que deve estar saindo bons barcos.

Mande Notícias e Boa Sorte, espero encontra-lo por esses mares

PS: Não tenho nenhum vínculo com a MJ Yachts

Marcelo

Bethoven
Bethoven

2 comentários em “Depoimentos

  1. O Dragão Mágico MJ33 foi um dos 5 barcos contruidos junto com o Touche. Com a superação de dificuldades e apoio do Marcos e de uma equipe dedicada realizei meu sonho de um veleiro maior. A escolha, após muitas avaliações, foi o layout e conforto oferecidos e avaliados por minha esposa e pelas características técnicas ofereciidas pelo projeto na época. Passei os melhores anos da minha vida a bordo do Dragão, vendo o crescimento dos meus filhos e junto a minha esposa e amigos no Bracuhy. Lourival

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s